Qual é a relação entre o catalisador do carro e a potência?

O catalisador é um dispositivo muito importante para todos os veículos, incluindo aqueles que utilizam gás natural como combustível, após instalação do Kit Gás. A função da peça é reduzir a emissão de poluentes no escapamento do veículo e, por isso, o dispositivo é instalado acoplado ao escapamento.

O catalisador é responsável pela filtragem dos gases nocivos ao meio ambiente e pela captação dos poluentes. Ele tem em sua parte interna dois elementos químicos que auxiliam nesta tarefa: o molibdênio e o paládio.

Qual a função do catalisador?

Na prática, o catalisador concentra estes dois elementos químicos citados acima (paládio e molibdênio) que interagem com os gases poluentes emitidos na combustão. A reação química transforma os gases nocivos em substâncias menos agressivas, como nitrogênio e vapor de água. Mesmo os carros convertidos para gás, que instalaram o kit GNV, precisam do catalisador no escapamento.

É verdade que retirar o catalisador aumenta a potência do carro?

Quem acredita que remover o catalisador aumenta a potência do carro, incluindo em veículos com kit GNV, pode estar apenas praticando um mito a respeito da manutenção veicular. A potência do carro não melhora com a retirada do catalisador. E tem mais, o carro passa a emitir mais poluentes e se torna uma fonte de impurezas para o meio ambiente.

Além disso, quem acha que remover o catalisador aumenta a potência do carro está adotando uma prática que pode trazer prejuízos, entre eles os seguintes:

  • multa ao motorista que está dirigindo sem o catalisador;
  • aumento no gasto de combustível GNV.

O catalisador é um dispositivo exigido por lei. Quem remove a peça pode pagar multa e ter o veículo apreendido. Portanto, muita atenção para não infringir a legislação e, ainda por cima, ter prejuízos com o desempenho do carro.

Os que defendem a retirada do catalisador para aumentar a potência do carro argumentam que o dispositivo reduz consideravelmente o fluxo de gases no escapamento, atrapalhando a saída. Essa teoria não funciona na prática, já que há uma compensação mecânica projetada para o motor do veículo, ocorrida pelo sistema de ignição e injeção.

Os mecânicos mais experientes, além dos engenheiros, advertem que o catalisador não deve ser retirado em hipótese nenhuma, pois os motores veiculares já são projetados para renderem o máximo de sua potência, sempre com segurança e respeito ao meio ambiente, sem infringir a legislação.

Qual é o tempo de duração do catalisador?

Assim como todas as peças, o catalisador possui vida útil. Segundo estimativas, os catalisadores originais de fábrica duram, em média, 80 mil quilômetros, enquanto as peças de reposição possuem vida útil de aproximadamente 40 mil quilômetros. O importante é procurar um mecânico para a revisão do catalisador quando o veículo atingir essas quilometragens.

Os veículos mais modernos, principalmente os fabricados após 2010, possuem um sistema de alerta ao motorista quando há problemas no catalisador. Estes mecanismos servem para monitorar a eficiência da peça. Nestes carros, uma luz no painel indica deficiência do instrumento.

Outra possibilidade é a danificação do catalisador do carro por entupimento, quebras, trincas e derretimento. Se isso acontecer, a peça precisa ser trocada, já que sua capacidade de filtragem fica definitivamente comprometida.

Por isso, a peça deve ser checada em revisões periódicas do veículo. Em caso de problemas, ela é trocada antes mesmo que o motor do veículo passe a prejudicar o meio ambiente.

Alguns fatores também podem atrapalhar o desempenho do catalisador, como inconsistência no sistema de ignição do carro, utilizar com frequência combustível de baixa qualidade e queima de óleo. Nestes casos, é importante procurar assistência técnica.

Para ficar por dentro de tudo o que diz respeito ao mundo automotivo, continue acompanhando as publicações no blog da Inove Gás! Somos uma rede de oficinas de conversão para GNV no Rio de Janeiro. Todas as nossas lojas são homologadas pelo Inmetro, garantindo qualidade e segurança para você.


Importância do emulador de sonda lambda em carros com GNV

Quem está pensando em instalar Kit Gás no veículo precisa saber qual é a importância do emulador de sonda lambda, o que é essa peça e como ela melhora o desempenho de veículos que utilizam como combustível o Gás Natural Veicular.

O que é o emulador de sonda lambda?

A sonda lambda é responsável pela detecção de falhas no balanceamento do combustível, apontando se há excesso de oxigênio na mistura ar-combustível e se os níveis estão ideais para o bom funcionamento do motor.

O fato é que motores a combustão só operam se o combustível estiver misturado com oxigênio, gás que permite a ocorrência de uma espécie de explosão que ativa a máquina. Porém, comburente e combustível devem estar em volumes ajustados, e o mecanismo que auxilia no controle é o emulador de sonda lambda.

Se nesta mistura de combustível houver mais oxigênio, ela fica empobrecida, com redução de combustível e menor desempenho do motor. Por isso, para carros com kit gás, o emulador de sonda lambda é um componente muito importante para o funcionamento geral do conjunto.

Mesmo com o fato de o GNV ser muito eficiente, o emulador de sonda lambda no kit gás auxilia em diversas alterações que acontecem durante a queima do combustível, principalmente auxiliando na interpretação correta da relação perfeita entre ar e combustível pela centralina. E, por incrível que pareça, o emulador é ainda mais importante em veículos que são movidos a GNV!

Entendendo melhor o papel do emulador de sonda lambda

O emulador de sonda lambda é ainda mais importante para o veículo depois da conversão para o GNV, já que a central eletrônica que recebe as informações durante esta etapa não pode mais controlar o veículo movido com gás natural veicular. Isso acontece por que, além de interromper o sinal da sonda, o emulador gera um sinal elétrico para a central de unidade do carro, indicando que os níveis de combustíveis estão normais e dentro do esperado.

Por causa do papel do emulador, a interpretação da centralina é feita como se os níveis de combustível líquido estivessem em volumes adequados. O que pode ocorrer, caso haja problema no emulador, é a central eletrônica do veículo identificar alteração nos volumes balanceados entre oxigênio e combustível, mas não contar com mecanismos de controle para reajustar os índices.

Um dos resultados é a tentativa de compensação pela unidade de controle do veículo, indicando aos bicos injetores a necessidade de reajustar os níveis de álcool ou gasolina. Mas, no caso dos carros com kit GNV, os bicos injetores estão inativos. Isso pode gerar algum desajuste no sistema de trabalho do motor.

O emulador da sonda lambda opera em oscilação elétrica binária, de 0 e 1 volt. Caso haja alguma inconsistência de sinal, uma mensagem de defeito é gerada e, como consequência, aparece uma luz no painel do carro, indicando falha no sistema de injeção eletrônica.

O emulador é tão importante porque ele faz o papel da própria sonda lambda, que fica desconectada em veículos GNV. A função do emulador é emitir um sinal elétrico que imite o papel da sonda lambda, oferecendo para a centralina o sinal adequado, que atesta o correto funcionamento no sistema de injeção e combustão. Caso contrário, quando o emulador de sonda lambda não estiver operando, haverá a tentativa de correção da falta de balanceamento.

Por isso, a instalação de kit gás deve ser feita por uma equipe especializada, que tenha experiência na área, profissionais capacitados e tecnologia suficiente para realizar o trabalho. Caso contrário, pode haver falhas no sistema, incluindo no emulador de sonda lambda. Para fazer a conversão para o GNV no Rio de Janeiro com o máximo de eficiência e garantia de um serviço de alto padrão, entre em contato com a Inove Gás!


Benefícios do GNV para o meio ambiente

Ter um automóvel no Brasil não é uma tarefa muito simples. Atualmente, o país abriga as principais montadoras automotivas do mundo, mas isso não significa que os preços dos veículos sejam acessíveis à população. Um veículo zero quilômetro, sem adicionais, custa a partir de R$ 30 mil. Além disso, o motorista precisa ter na ponta do lápis os gastos com manutenção, impostos (como IPVA) e o seguro.

Outro item muito observado no momento da compra é o rendimento do carro. Muitos motoristas se preocupam com a autonomia do motor com gasolina ou etanol. Essas informações servem de base para que o proprietário consiga ter uma noção se o veículo desejado vai atender suas necessidades, além de saber quanto o carro vai custar no final do mês.

Uma pessoa que usa o carro para trabalhar, por exemplo, e roda 100 quilômetros por dia, precisa de um modelo mais econômico. Geralmente, os carros populares atendem à necessidade de motoristas que querem poupar e que desejam ter um controle efetivo das despesas que o veículo vai gerar para o orçamento.

Neste cenário, uma opção bastante vantajosa para os proprietários que desejam, ao menos, economizar com o combustível é o GNV. O Gás Natural Veicular é excelente para quem não abre mão de um carro confortável, mas sem deixar de lado a economia no final do mês.

Trata-se de um combustível mais barato que os convencionais, como a gasolina e o etanol, mas o kit gás não vem de fábrica e, por isso, é necessário fazer a conversão do motor para o GNV . A instalação deve ser feita em oficinas homologadas pelo Inmetro e que ofereçam serviços com segurança e eficiência.

Por que investir na conversão veicular para GNV?

Uma pesquisa feita por uma empresa de gás natural no Brasil revelou que o tempo médio para obter o retorno do investimento com a conversão pode variar conforme o uso do carro. Taxistas que percorrem em média 8 mil quilômetros por mês levariam apenas quatro meses para compensar a conversão. Já para pessoas que usam pouco o carro e rodam em média mil quilômetros, o prazo estimado para o retorno do investimento é superior a 2 anos. Os valores podem sofrer alteração tendo em vista o modelo do automóvel.

Geralmente, o GNV é 66% mais econômico do que a gasolina e 55% mais econômico que etanol. E não é só o motorista que se beneficia com o combustível. O meio ambiente também!

A partir da forma como o recurso é extraído da natureza, por meio de poços e instalações de tratamento de pequeno porte, é possível perceber que o impacto ambiental é bastante reduzido, quando comparado às bases de extração de petróleo e aos processos que envolvem a produção da gasolina, por exemplo.

O transporte do GNV também é mais limpo e seguro. Existe uma conexão entre os pontos de onde o combustível é retirado do meio ambiente até o local onde é revendido aos postos. Quando a logística não é feita por gasodutos, ela acontece por navios metaneiros. São métodos que não poluem a atmosfera e, com isso, tornam a qualidade de vida no planeta melhor.

Além disso, a queima de combustível fóssil lança resíduos no ar, que são prejudiciais para a nossa saúde. O Gás Natural Veicular também é mais seguro do que seus concorrentes neste aspecto.

Por ser um gás mais leve do que o ar, caso exista algum vazamento no carro, ele não acumula, o que reduz o risco de incêndios e explosões. Por fim, o combustível não influencia de forma significativa em processos como o aquecimento global e a poluição ambiental, como ocorre com o CO2 emitido pelos combustíveis fósseis.

Incentivos para o GNV

Diante de tantas vantagens, o poder público já vem adotando medidas para estimular o uso do GNV. Muitos estados brasileiros oferecem desconto no IPVA, o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores, para motoristas que possuem carros movidos à base de gás natural.

No Rio de Janeiro, por exemplo, o desconto no tributo chega a 62,5%. Para conseguir o benefício, o proprietário do veículo precisa atender algumas exigências dos órgãos de trânsito do Estado. Geralmente, o procedimento básico inclui a vistoria do kit gás instalado no automóvel.

Faça a conversão do seu veículo em uma loja homologada pelo Inmetro. A Inove Gás, oficina de conversão para GNV, tem dez lojas espalhadas pelo Rio de Janeiro e região e, além de trabalhar apenas com cilindros de alta qualidade da MAT, ainda garante o melhor preço, com diversas opções de kits nacionais e importados.


Cuidados com o carro no inverno

Motoristas experientes sabem que é preciso redobrar a atenção com o carro no inverno. Alguns itens como a bateria e o radiador merecem cuidados especiais nesta época do ano. Carros movidos a GNV também têm suas particularidades no frio.

Atenção à bateria do carro no inverno

Quando as temperaturas caem, o óleo do motor assume uma consistência mais viscosa e demora mais a dilatar. Essa dificuldade pode acabar sobrecarregando a bateria, que precisará fazer mais força no momento de dar a partida. Para evitar este problema, mantenha a manutenção em dia, tanto da bateria quanto de seus componentes (sobretudo o alternador) para garantir que ela esteja sempre carregada.

Fluido do radiador

Lembre-se sempre que não se deve usar água da torneira no radiador! O correto é usar uma mistura composta por 50% de água desmineralizada e 50% de aditivo à base de etileno glicol. Esta mistura, quando feita na proporção correta, altera o ponto de ebulição e congelamento da água, evitando que ela ferva ou congele (o que pode acontecer em dias mais frios).

Cuidados para carros com sistema GNV

Veículos convertidos ao GNV, o Gás Natural Veicular também requerem cuidados. Durante o inverno, quando as temperaturas caem, o redutor de pressão pode congelar. O problema é provocado pela velocidade da saída de GNV em alta pressão, que esfria o cilindro.

Para descobrir se o seu carro está passando por isso, basta observar o rendimento. Sentir que o motor perdeu a potência, por exemplo, é um sinal de que algo está errado.

Quando há o congelamento do redutor, a passagem do GNV é comprometida, e, com isso, o carro morre. Trocar as velas do motor a cada 20.000 km rodados ajuda muito.

Atenção aos combustíveis líquidos

Mesmo os carros movidos a GNV precisam de um combustível líquido para dar a partida. Para cumprir essa função, muitos motoristas têm dado preferência para o etanol por uma questão econômica. O combustível está mais barato e ainda tem a vantagem de não estragar dentro do tanque depois de um determinado tempo, como acontece com a gasolina.

Contudo, o uso deste combustível pode apresentar alguns percalços, principalmente no inverno. Durante a estação, as temperaturas tendem a ser mais baixas nos períodos da manhã e da noite, e é só com o passar das horas que o clima esquenta, o que configura um desafio para os motoristas que dependem do etanol para dar partida no carro.

Como o começo e o final dos dias são frios, o combustível acaba encontrando dificuldade para entrar em combustão. No motor dos carros flex (carros que funcionam tanto com álcool quanto com gasolina) existe um reservatório que deve estar sempre abastecido com gasolina. É um recurso próprio do veículo para auxiliar na “explosão” dentro do carro no momento da partida.

Manutenção em dia e instalação correta evitam dores de cabeça

Para evitar esses problemas, mantenha a manutenção preventiva do seu carro sempre em dia, contando com o suporte de profissionais especializados. E para garantir que seu sistema de GNV não vai apresentar problemas mesmo no frio, faça a instalação do kit gás em uma convertedora certificada pelo Inmetro.

A Inove Gás, oficina de conversão de GNV no Rio de Janeiro , possui dez lojas espalhadas pela região metropolitana do Rio, todas homologadas. Aqui você encontra o menor preço e o melhor atendimento para instalar seu kit gás com qualidade e segurança. Venha conhecer!


Saiba por que o GNV é seguro

A necessidade de economizar combustível é um assunto que nunca sai de pauta. A gasolina, além de não ser a melhor opção para o meio ambiente, vem apresentando preços cada vez mais elevados, e tentar economizar pode causar danos ao veículo, caso você se depare com combustível adulterado. Dentre as opções de combustível que temos disponíveis no mercado, o GNV é, sem dúvida alguma, a mais barata. Ele pode ser até 58% mais barato do que a gasolina ou o etanol, não pode ser adulterado e sua eficiência é comprovada por diversos especialistas.

Então, por que será que há poucos adeptos do GNV no Brasil? Isso ocorre principalmente devido à propagação de mitos que fazem com que os motoristas se perguntem se o GNV é seguro.

Afinal, o GNV é seguro?

Quando alguma explosão relacionada ao GNV aparece nos noticiários, a tendência é que os motoristas hesitem em fazer a instalação no seu carro e achem que a exceção é uma regra.

No entanto, os especialistas afirmam que acidentes e explosões causadas pelo GNV só acontecem quando há manuseio e instalação incorreta do equipamento, ou se for usado um cilindro de procedência duvidosa.

As explosões só ocorrem se houver algum dano no cilindro, o que pode acontecer caso ele não seja certificado pelo Inmetro, ou se ele não tiver sua procedência garantida, como no caso de cilindros usados vendidos como requalificados (muitas vezes, estes já passaram por situações como incêndios, que alteram as características mecânicas do aço e tornam o material menos resistente). Quando a instalação é feita em um local autorizado, com materiais adequados, há cilindros que resistem até a tiros de armas.

Se todas as recomendações forem seguidas, o GNV não oferece risco, sendo mais seguro do que passar pelo perigo de utilizar combustíveis líquidos adulterados, que podem provocar graves problemas mecânicos no veículo.

Além disso, como o gás se dispersa mais rápido do que substâncias líquidas, ele é mais seguro no caso de vazamentos, uma vez que não propaga chamas em acidentes que provocam incêndios.

GNV não pode ser adulterado

Outra vantagem que torna o GNV seguro é que ele não pode ser adulterado. O gás chega aos postos por um gasoduto, logo, não há contato com o produto até que ele chegue às bombas.

Como garantir que o GNV é seguro?

Se você tem interesse em economizar com seu veículo fugindo de combustível adulterado, é importante que busque por equipamentos registrados e aprovados pelas normas do Inmetro. Verifique se não há soldas ou qualquer tipo de emenda nos cilindros.

Além disso, a oficina onde você faz a instalação também deve ser certificada, e é fundamental consultar a papelada referente a isso, para garantir a sua segurança.

Buscar economizar dinheiro com a instalação do GNV em detrimento da qualidade do serviço ou produto não é uma boa ideia, uma vez que a economia virá a longo prazo de qualquer forma, e a sua segurança é mais importante.

Por sua vez, a segurança do equipamento de GNV está relacionada à sua manutenção. A vida útil de um cilindro é de 20 anos, um prazo extenso.

No entanto, além de apenas trocar o equipamento quando o prazo acabar, é importante realizar vistorias regulares. Com o manuseio adequado do equipamento e com todas as certificações e requerimentos em dia, você garante que fez uma instalação segura de GNV em seu veículo.

Na Inove Gás, você pode confiar!

O GNV é seguro e é uma forma interessante de economizar com seu automóvel sem se expor a danos causados por combustível adulterado ou outros problemas afins. Porém, para funcionar perfeitamente, deve ser instalado por uma empresa que ofereça produtos e serviços de qualidade, como a Inove Gás, oficina de conversão para o GNV no Rio de Janeiro . Oferecemos a melhor qualidade com o menor preço, e todas as nossas oficinas são homologadas pelo Inmetro. Além disso, a Inove Gás só trabalha com cilindros novos e da MAT, a maior indústria de cilindros de alta pressão da América Latina, garantindo qualidade e segurança na instalação. Venha até uma de nossas lojas ou faça seu orçamento online.


Quais são as vantagens do kit gás de 5ª geração?

A instalação de gás natural veicular pode reduzir os gastos com combustível de um automóvel em até 50%, o que significa uma economia considerável para o motorista, além de uma grande vantagem para o meio ambiente. Para fazer a instalação, é interessante considerar o kit gás de 5ª geração.

Principalmente para quem usa o carro como instrumento de trabalho, ou depende dele para percorrer longas distâncias, o GNV é uma vantagem significativa. De acordo com a Companhia de Gás de São Paulo (Comgás), o custo médio do quilômetro rodado com o GNV é de cerca de 19 centavos, 66% mais vantajoso que o etanol, e até 58% mais barato do que a gasolina.

Por que instalar o kit gás de 5ª geração

Muitos motoristas hesitam em converter seu automóvel para rodar com o GNV devido a fatores como suposto risco de explosões, perda de potência e até mesmo perda de espaços no porta-malas. No entanto, se a instalação e a manutenção forem feitas corretamente, não há motivos para preocupações.

Maior segurança

Desde que o GNV começou a ser instalado, cada vez mais se trabalha para garantir a segurança desse combustível. Os equipamentos de kit gás mais recentes não colocam a vida do motorista em risco quando a instalação é feita seguindo as normas de segurança e em um local qualificado.

A única possibilidade de um kit gás causar uma explosão é caso o cilindro sofra algum dano ou tenha sido exposto a altas temperaturas em um incêndio – situação comum entre os cilindros usados que são vendidos como requalificados.

Menor perda de potência em relação a modelos anteriores

O kit gás de 5ª geração foi desenvolvido para evitar a perda de potência que ocorre quando se instala o GNV em um automóvel. Embora essa questão ainda ocorra, a potência perdida atualmente é de apenas 3%, tornando essa geração muito mais vantajosa do que as anteriores nessa questão.

Menor perda de espaço no porta-malas

Embora os cilindros ainda ocupem espaço no porta-malas, alguns veículos, como, por exemplo, o Duster, da Renault, e o Spin, da Chevrolet, já podem receber a instalação do kit gás na parte externa.

A tendência é que, no futuro, cada vez mais carros tragam consigo essa alternativa. No entanto, mesmo que você precise ceder espaço no porta-malas, o kit não ocupa todo esse espaço, e você ainda terá como colocar malas, compras e outras coisas juntamente com os cilindros.

Vantagens para o meio ambiente

Uma das principais vantagens do GNV, além da economia com o combustível, é a diminuição da emissão de gases poluentes na atmosfera.

Um veículo que utiliza o kit gás de 5ª geração emite até 20% menos dióxido de carbono na atmosfera em relação a um veículo que utiliza gasolina.

Instalação do GNV

O GNV é uma tecnologia recente, mas, a cada geração de equipamentos, não apenas seu custo de instalação diminui, como sua segurança e seu desempenho aumentam. O kit gás de 5ª geração chama atenção pela alta potência e pela sua segurança.

Se você busca por economia a longo prazo, bom custo-benefício, ou apenas é uma pessoa consciente e busca alternativas mais sustentáveis para cuidar da saúde de nosso planeta, utilizar o gás natural como combustível é uma solução muito eficiente.

Por isso, se você utiliza seu automóvel com frequência, procure uma oficina autorizada pelo Inmetro e faça a instalação de um kit gás de 5ª geração, aproveitando tudo o que esse combustível tem a oferecer juntamente com toda a inovação que essa geração trouxe ao mercado. A Inove Gás, oficina de conversão para GNV no Rio de Janeiro , oferece a instalação de kit gás com qualidade e o melhor preço. Visite uma de nossas lojas.


GNV: como o mundo vê o gás natural veicular

O cuidado com o meio ambiente nunca esteve tão em debate, e, com ele, vem a possibilidade de uso do GNV, o gás natural veicular. A queima desse tipo de combustível é mais completa quando comparamos com a queima de gasolina ou etanol. É por isso que o GNV emite menos poluentes no meio ambiente.

O uso do gás aumenta a vida útil do motor, reduz os custos de manutenção (por ser uma energia mais limpa para o veículo) e faz com que a troca de óleos lubrificantes tenha um intervalo maior.

Além de ser uma escolha consciente, esse tipo de combustível também é mais barato. Ou seja, a sustentabilidade e a economia realmente andam juntas.

O GNV no mundo

Países como Estados Unidos, Canadá, Rússia e principalmente os que compõem a União Europeia utilizam o gás natural veicular.

Os países da Europa, por exemplo, têm diversas políticas públicas para sustentar-se com energia renovável, diminuindo o impacto dos problemas ambientais causados pelo homem.

Estas políticas determinam que, até 2020, os países que compõem o Bloco diminuam em até 20% as emissões de gases prejudiciais. Até 2050, a previsão é que essa diminuição chegue a 90%.

Entre as medidas adotadas para alcançar tais metas, está o uso do GNV. Entre os países que se destacam pelo uso, está a Itália. Primeiro país europeu a adotar essa forma de combustível veicular, em 2007 já contava com quase quinhentos mil veículos utilizando a base natural de energia.

Isso faz com que os europeus garantam maior vida útil para seus carros, já que essa energia veicular possui menos sujeira em comparação ao álcool, por exemplo.

Na cidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, o uso do gás é obrigatório nos ônibus escolares da cidade. Isso faz com que as crianças e adolescentes aprendam desde cedo sobre a qualidade desse tipo de energia.

O GNV no Brasil

O Brasil é um dos países que registra um crescimento significativo no consumo de gás natural veicular. Em 2018, houve um aumento de cerca de 9% no uso. Esse aumento foi maior do que os registrados na gasolina e óleo diesel.

Com apenas um metro cúbico de gás, é possível andar, em média, quatorze quilômetros, enquanto um veículo que utiliza gasolina roda cerca de dez. Para quem busca uma alternativa para economizar, principalmente com o aumento do preço da gasolina, o gás natural veicular pode ser uma ótima opção.

Mesmo com um crescimento ainda pequeno em relação a outros países, a tendência econômica do Brasil é que o GNV seja cada vez mais adotado pelo preço, qualidade e garantia de um veículo sem muitos problemas mecânicos.

Mude para o GNV, economize e vá mais longe

Se você está pensando em adotar o combustível, saiba que é preciso antes converter o automóvel e instalar o kit gás. Existem diversas oficinas que realizam o procedimento. A dica é sempre procurar um local que seja credenciado pelo Inmetro, a fim de evitar problemas futuros. A Inove Gás é uma oficina de conversão para GNV no Rio de Janeiro , certificada pelo Inmetro, que oferece os melhores serviços e os menores preços. Visite uma de nossas lojas.


O que é emulador de bico injetor?

Se você é leigo quando o assunto é carro, provavelmente não sabe o que é um emulador de bico injetor. O dispositivo em questão é utilizado em carros que usam GNV, e deve ser instalado para não causar danos no automóvel. Descubra nesse artigo a finalidade do simulador ou emulador de bico injetor.

Emulador de bico injetor: para que serve?

Esse dispositivo é utilizado em carros que utilizam o gás natural veicular como forma de combustível. Ele basicamente serve para desconectar os bicos injetores do carro, para que não haja introdução de combustível líquido no motor do carro enquanto o GNV estiver sendo usado.

Mas com o acionamento do simulador de bico injetor, o carro fica permanentemente impossibilitado de usar álcool ou gasolina? A resposta é não. Junto a ele, é instalada também uma chave de seleção de combustível, por meio da qual é possível escolher o GNV ou o combustível líquido.

Tipos de emulador de bico injetor

Existem dois tipos desse dispositivo: o mais simples, chamado de eletromecânico, que é associado aos resistores do veículo, e também o mais moderno, que contém inteligência. Nesse, é possível realizar configurações de desconexão e conexão do sistema de GNV.

É claro que, quanto mais completo e moderno for o dispositivo, mais alto será o valor.

Como instalar o simulador de bico injetor?

O mais indicado é que esse aparelho seja instalado em uma oficina licenciada pelo Inmetro . Essa instalação acontece junto com a instalação do GNV no carro.

Não é indicado que essa instalação do emulador de bico injetor ou do kit gás sejam realizadas em casa, pelos riscos de segurança durante e depois de colocar o GNV.

Quais os benefícios do gás natural veicular?

Alguns países europeus adotaram o GNV como forma de combustível principal para automóveis.

O principal benefício do gás natural é o valor. Como o Brasil tem passado por grandes oscilações de preço no combustível, o gás acaba sendo o mais eficaz para quem anda muito com o carro e quer economizar.

Uma pesquisa realizada pela Companhia de Gás de São Paulo (Comgás) mostrou que a economia de quem usa o GNV é de cerca de 61% em relação a quem usa combustíveis líquidos.

O mais interessante é que o uso do gás aumenta o tempo útil do motor do carro. Mas por quê? Diferente dos combustíveis líquidos, o GNV não contém químicas que danificam o carro a longo prazo. Por isso, a manutenção do veículo acaba tornando-se mais barata.

Outro benefício é a diminuição de gases emitidos pelo escapamento do carro. Como a queima do gás é mais completa que a da gasolina ou do etanol, a emissão de poluentes acaba sendo bem menor. Vale lembrar que esses gases são os principais responsáveis pelo efeito estufa.

Agora que você já entendeu todos os benefícios do GNV e a importância do emulador de bico injetor num carro que utiliza esse tipo de combustível, por que não investir? Conheça a Inove Gás, oficina de conversão para GNV no Rio de Janeiro . Somos uma convertedora certificada pelo Inmetro, garantindo a qualidade dos nossos serviços. Visite uma de nossas lojas.


O que é variador de avanço?

Como já falamos aqui no blog, o motor a combustão depende de uma mistura entre ar e combustível para funcionar. Essa mistura entra em contato com uma centelha produzida pela vela e queima, fazendo com que aconteça a combustão propriamente dita.

No entanto, nem todos os combustíveis vão reagir da mesma forma em contato com a chama. O GNV, por exemplo, possui um tempo de queima e um ponto de ignição diferente de outros combustíveis, e isso pode causar diferenças no funcionamento do motor. Para corrigir essas diferenças, existe o variador de avanço. Saiba mais sobre essa peça fundamental para motores a GNV.

O motor a combustão e o GNV

O funcionamento do motor a combustão começa com a liberação da mistura ar-combustível dentro do motor. Nesse instante, o pistão chega ao ponto mais alto e comprime essa mistura. Em seguida, a vela solta uma pequena fagulha para que ocorra a explosão, o que empurra o pistão para baixo, proporcionando a rotação do motor.

O problema é que o sistema de motor automotivo foi idealizado para a gasolina. Ao usar um combustível com tempo de queima e ponto de ignição diferentes, como é o caso do GNV, ocorrem distorções que podem alterar o pleno funcionamento do motor. Como o GNV possui um tempo de queima mais lento, a explosão do combustível não coincide com o a chegada do pistão ao ponto mais alto. Em outras palavras, a explosão ocorre tardiamente, o que faz com que os pistões desçam com menos força e a potência do motor diminua.

Outro problema que pode surgir em decorrência dessa queima mais lenta é o chamado backfire, que ocorre quando a válvula de injeção se abre para injetar mais combustível no motor, porém o que foi injetado anteriormente ainda não terminou sua combustão por completo. Dessa forma, existe a chance de que o gás que ainda está na válvula de injeção, ao entrar em contato com o exterior, comece a queimar ainda lá dentro.

A importância do variador de avanço

Para corrigir este problema, existe o variador de avanço, um dispositivo que faz com que o tempo de ignição do sistema do motor se adapte ao GNV. O variador antecipa o início da queima, o que faz com que a explosão ocorra no momento exato da subida do pistão, empurrando-o para baixo com a maior pressão possível. Com isso, aumenta-se a potência do motor no GNV.

Além disso, ao aumentar o tempo disponível para queima do combustível, reduz-se o risco de ainda haver gás em combustão no motor no momento em que a válvula de injeção se abre, evitando, assim, que ocorra backfire. O dispositivo pode ser usado em kits de 3ª, 4ª e 5ª geração, na maioria dos tipos de veículo. O tipo de variador de avanço pelo qual o motorista optar pode influenciar na recuperação da perda de potência, de acordo com o modelo escolhido e sua adequação ao carro. Consulte um especialista para saber qual o mais adequado para o seu motor.

O variador de avanço é mais um dos inúmeros recursos disponíveis para garantir que o seu carro rode com o GNV sem perder nada em desempenho e segurança. Mas isso de nada adianta se a instalação do kit gás em seu carro não for feita de maneira correta.

Aqui na Inove Gás, oficina de conversão para GNV no Rio de Janeiro , você tem a certeza e a tranquilidade de saber que seu carro está em boas mãos. Somos uma convertedora certificada e credenciada pelo INMETRO, garantindo a qualidade dos serviços oferecidos, e ainda temos o melhor preço e atendimento. Venha até uma de nossas lojas e confira.


Regras para o abastecimento com GNV em postos do Rio de Janeiro

De tempos em tempos, surgem na internet alguns vídeos de explosões de carros no momento do abastecimento com GNV. Com isso, muitas pessoas podem supor que o gás natural veicular não é um combustível seguro, o que não é verdade. O risco de explosão só ocorre em casos de má instalação ou mau uso do kit gás. Além disso, em muitas cidades, existem regras e leis municipais que regulamentam o procedimento de abastecimento por GNV, como é o caso do Rio de Janeiro e, em breve, São Gonçalo. Saiba mais sobre essas regras para garantir sua segurança.

Cuidados necessários durante o abastecimento com GNV

Na cidade do Rio de Janeiro, a Lei Municipal 5.783 de 19 de agosto de 2014 proíbe que seja feito o abastecimento de gás natural veicular com pessoas no interior do veículo. Em caso de insistência dos ocupantes em permanecer dentro do carro, o frentista pode (e deve) recusar-se a prosseguir com o atendimento. A lei também determina a afixação obrigatória de placas de fácil visualização com avisos proibitivos em letras legíveis, com os seguintes dizeres: “é proibido o abastecimento de Gás Natural Veicular (GNV), enquanto houver alguma pessoa no interior do veículo, sob pena de multa”. A cidade de São Gonçalo em breve vai passar a ter uma lei nos mesmos moldes.

Além disso, a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou também o Projeto de Lei 1036/2011, que determina que os postos de abastecimento de GNV só podem realizar o procedimento em veículos cujos cilindros estejam identificados pelo selo do INMETRO. Isso reduz de maneira significativa o risco de explosões e incêndios causados pela instalação de cilindros inadequados ou mesmo falsificados.

Outros cuidados que devem ser observados são os mesmos a serem adotados ao abastecer com qualquer tipo de combustível: desligar o carro (inclusive aparelho de som e outros componentes da parte elétrica), não usar celular ou outro aparelho eletrônico e não acender cigarros, cachimbos, charutos etc.

Instale seu kit gás com segurança na Inove Gás

A principal medida para prevenir acidentes com o GNV em postos é realizar a instalação e a manutenção dos cilindros em uma oficina credenciada pelo Inmetro para esse serviço, como a Inove Gás. Em nossas lojas, você tem a certeza de que está adquirindo um produto confiável e de qualidade, capaz de garantir economia e segurança para você e sua família.


Como funciona o redutor de pressão do GNV

Você certamente já viu postos de GNV anunciando que possuem a “melhor (ou seja, a maior) pressão” para o abastecimento. No entanto, a pressão de abastecimento não segue à risca a lógica do “quanto mais, melhor”, e uma das peças mais importantes do sistema de kit gás é justamente o redutor de pressão. Saiba mais sobre esse item aqui no blog da Inove Gás.

O que é e para que serve o redutor de pressão?

Quando o GNV sai da bomba de combustível dos postos, sai com uma pressão muito elevada (até 220kgf/m³), e isso pode ser extremamente prejudicial ao desempenho do motor. O redutor de pressão atua igualando a pressão do GNV à atmosférica (1 kgf/m³), fazendo com que o combustível possa passar pelo motor.

Como o redutor de pressão do GNV funciona?

O redutor funciona a partir da ação de câmaras controladas por molas, válvulas e diafragmas, pelas quais o gás vai sendo conduzido. As principais responsáveis pela retirada de pressão nesse trajeto são as membranas que recobrem as câmaras. Caso elas se danifiquem (rasguem, sejam furadas etc), o redutor terá sua função comprometida, e o GNV entrará no motor com mais pressão do que o recomendado. Isso pode causar engasgos e outros danos ao sistema.

Circulação de água no redutor

O redutor de pressão conta com uma entrada e uma saída de água, por onde deve circular água quente. Essa necessidade deve-se às baixas temperaturas no redutor durante seu funcionamento – em casos extremos, sobretudo em regiões mais frias, o redutor pode congelar, fazendo o carro morrer ou parar de funcionar no gás.

Limpeza e manutenção

Ao sair da bomba, o GNV possui em sua composição uma pequena quantidade de óleo, necessário para evitar ressecamentos no sistema, que poderiam levar a furos e vazamentos.

Com o tempo, este óleo se acumula nas câmaras e atrapalha a passagem do gás pelas membranas, ou mesmo pode danificá-las. Com isso, o motor não recebe o gás com a pressão adequada e, consequentemente, não funciona corretamente. Para evitar esse tipo de problema, deve-se realizar a limpeza e manutenção do redutor de pressão anualmente em oficinas certificadas.

Instalação correta é na Inove Gás

Um sistema de kit gás bem instalado reduz bastante o risco de seus itens apresentarem problemas de funcionamento. Na Inove Gás, oficina de instalação de kit gás no Rio de Janeiro, você tem a certeza de que seu carro está em boas mãos. Aqui você tem a garantia do melhor preço e de um serviço de qualidade, que não vai comprometer o funcionamento do seu motor. Venha até uma de nossas lojas e confira.


Saiba tudo sobre o uso de GNV em carros automáticos

Nos últimos anos, a venda de carros automáticos no Brasil cresceu bastante. Com isso, o interesse pela instalação de kit gás nesse tipo de veículo também aumentou. É preciso estar atento às diferenças no uso de GNV em carros automáticos e em carros com câmbio manual, para não causar danos ao veículo e para fazer com que a experiência de dirigir seja sempre a melhor possível.

Instalação de GNV em carros automáticos

Os cuidados com o GNV em carros com câmbio automático já começam na instalação. O ideal, para que não haja perda de potência, é que o motorista ou proprietário do veículo opte por um kit de 5ª geração de GNV . Neste modelo, ao contrário dos kits de 3ª ou 4ª geração, não ocorre perda de potência. Em veículos automáticos, perder potência pode significar um atraso nas reduções de marcha, ou seja, a troca de marcha pode ficar mais difícil.

Há quem associe um aumento da dificuldade na troca de marchas diretamente ao uso do kit gás, mas isso nem sempre é verdade. Muitas vezes, o que causa o problema é o próprio câmbio mal ajustado, fator que pode se tornar mais perceptível após a instalação do GNV. Neste caso, deve-se procurar um especialista em transmissão automática para resolver a questão.

Troca entre combustível líquido e GNV em carros automáticos

A troca entre a gasolina ou outro combustível líquido e o GNV também merece atenção. Fique atento para qualquer diferença na rotação. Lembre-se de que a troca entre combustíveis deve ser feita sempre com o carro em aceleração, para que não haja tranco ou qualquer outro fator que possa danificar o câmbio. O uso de um variador de avanço, peça que corrige o ponto de ignição de carros a GNV, é fundamental, pois ajuda a reduzir a perda de potência e auxilia na troca automática das marchas.

GNV e os sensores do câmbio automático

Há ainda o mito de que os equipamentos do GNV podem causar danos aos diversos sensores do câmbio automático, alterando seus parâmetros. Isso só acontecerá se o serviço de instalação do kit gás não for realizado em uma convertedora de confiança. Aqui na Inove Gás, oficina de conversão para o GNV no Rio de Janeiro , você tem a tranquilidade de saber que seu carro está em boas mãos. Somos uma oficina credenciada pelo Inmetro, e além de termos os melhores preços e condições para a instalação do kit gás em seu carro (seja ele automático ou manual), oferecemos serviços de qualidade e o melhor atendimento. Venha até uma de nossas lojas e confira!