GNV em carro flex: o que é importante saber?

GNV em carro flex: o que é importante saber?

Há 16 anos os carros flex fuel invadiram o mercado automotivo no Brasil, garantindo ao motorista a liberdade para escolher entre o etanol ou a gasolina, conforme as variações dos preços desses produtos. Os veículos passaram a sair de fábrica habilitados a rodar com um desses combustíveis ou mesmo com o uso combinado deles, em qualquer proporção.

Até o ano passado, os carros flex representavam 61,7% da frota total no país, de acordo com relatório do Sindipeças (Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores).

Mas, quando se fala em mais uma alternativa de combustível, para ainda mais conveniência e economia do motorista, surge o GNV como uma opção interessante e vantajosa.

O consumidor não precisa se limitar à comparação de preços entre etanol e gasolina na hora de abastecer de forma mais econômica. Afinal, o gás natural veicular é a melhor opção quando se deseja economizar pra valer.

Veja também: Vai de GNV: a sua mudança mais econômica .

Mas, como combinar o uso do GNV em carro flex? Na prática, como fica o funcionamento do veículo após a conversão?

  • Com a conversão, em geral, deve-se escolher se o carro será usado combinado com o etanol ou com a gasolina.
  • Alguns modelos só irão aceitar etanol, o que está relacionado a características específicas da central de injeção eletrônica.
  • Apenas alguns kits de 5ª geração permitirão a alternância entre os combustíveis líquidos (a partir de uma reprogramação para que a central eletrônica do kit GNV identifique a troca de combustível, a variar conforme veículo).
  • Seja qual for o combustível líquido que se ajuste melhor à conversão, será preciso manter pelo menos ¼ do tanque abastecido. Isso é importante para evitar o ressecamento de partes do motor, mantendo o bom funcionamento dos componentes originais. A ausência de etanol ou gasolina no veículo convertido pode desencadear um curto na bomba de combustível, provocando incêndio.
  • Também é ideal que o carro seja sempre ligado no combustível líquido e só depois passe para o GNV.
  • Um pouco antes de desligar o carro, é recomendável a passagem para o combustível líquido. Basta percorrer um pequeno trajeto antes de chegar ao destino.

Tem como saber com qual combustível líquido meu carro vai operar em combinação com o GNV?

Essa resposta não pode ser tão simplista, baseada somente no modelo do carro. O ideal é que o veículo passe por uma avaliação completa, que leve em conta seu estado de conservação, o método de conversão e os componentes do kit.

Inove Gás: a melhor solução para seu veículo

A oficina instaladora tem um papel importantíssimo nesse processo, pois o motorista deve entender porque seu veículo irá funcionar com um ou outro combustível e que procedimentos devem ser seguidos para melhor experiência.

A instalação do kit GNV em carro flex com qualidade e segurança é o primeiro ponto. E isso a Inove Gás garante, pois tem 100% da sua rede homologada no Inmetro.

A equipe técnica da Inove Gás também está preparada para orientar o motorista, esclarecendo aspectos importantes sobre o uso do GNV em carro flex, como qual combustível líquido deverá ser usado após a conversão, como será a alternância entre combustíveis, que cuidados devem ser tomados, entre outros.

Conte com a Inove Gás. Leve seu veículo para avaliação em uma de nossas lojas .