Inmetro prorroga prazos de validade do Selo GNV e do Relatório Técnico de Requalificação dos Cilindros

Em decorrência da pandemia do coronavírus, o Inmetro publicou, em 27 de março, a Portaria nº 107/2020, postergando a extensão dos prazos de validade ou de vencimento de uma série de documentos, incluindo registros relacionados ao uso do gás natural veicular.

A portaria estende o prazo de validade dos registros:

  • Selo Gás Natural Veicular (Selo GNV)
  • Relatório Técnico de Requalificação dos Cilindros para Gás Natural Veicular

Estão também contemplados por essa publicação:

  • Certificado de Inspeção Veicular (CIV)
  • Certificado de Inspeção para o Transporte de Produtos Perigosos (CIPP)
  • Certificado para o Transporte de Produtos Perigosos (CTPP)
  • Certificado de Capacitação Técnica (CCT)
  • Etiqueta de Garantia Autoadesiva dos Extintores de Incêndio

Para os certificados, Relatório, Etiqueta e Selo GNV com prazos já vencidos: os 30 dias de postergação contam a partir da data de publicação da Portaria.

Para os certificados, Relatório, Etiqueta e Selo GNV cujos prazos vencerem após a publicação dessa Portaria: os 30 dias de postergação contam a partir da data de seus vencimentos.

Novas extensões de prazos poderão ocorrer, a depender da manutenção das condições de restrição de circulação de pessoas pelas autoridades durante a situação de emergência pública.


Fiat e Toyota investem em modelos preparados para o GNV

Por trás de qualquer investida de uma grande montadora do setor automotivo tem muita pesquisa técnica e estudos de viabilidade e de mercado. Certamente muito embasadas, duas gigantes do segmento decidiram apostar no GNV: Fiat e Toyota, que estão oferecendo modelos com predisposição para o gás natural veicular.

As empresas miram no motorista que roda bastante e reconhece que o GNV é uma boa alternativa para redução do gasto com combustível.

O Fiat Grand Siena e o Toyota Etios Sedã já eram modelos consagrados e a opção de comprar o modelo zero já equipado com o kit gás acaba ampliando o público que é fã desses carros, mas não abre mão de economizar.

As duas empresas têm propostas similares. Após adquirir um dos carros, deve-se solicitar a instalação do kit GNV na concessionária participante. Todo processo de instalação será feito em uma oficina autorizada.

Veja a página oficial de apresentação do modelo da Fiat: Por que ter um Grand Siena com predisposição GNV?

Mais detalhes do modelo da Toyota podem ser vistos na página que a empresa dedica ao carro: Quer economizar com GNV? A Toyota ajuda você.

As duas páginas também enumeram as vantagens do GNV. E claro, a economia desse combustível é ressaltada.

Enquanto o Grand Siena tem porta-malas de 520 litros, o Etios Sedã tem 562 litros. Assim, mesmo após a instalação dos cilindros, o volume útil dos bagageiros ainda fica satisfatório.

 

Conversão é opção mais acessível

 

Se ter um zero desses saindo da concessionária direto para a instalação do kit gás não é algo possível no momento para muitos motoristas, a conversão veicular pode ser uma saída.

Neste caso, o mais importante é a escolha da convertedora. Um serviço bem feito, realizado em uma oficina homologada no Inmetro, com profissionais experientes e qualificados vai te deixar tranquilo e abrir as portas da economia para você.

Pode ser um carro como Siena, o Etios ou o simplesmente o modelo que você já tem. Conheça a Inove Gás, a convertedora onde a segurança e a qualidade são garantidas. Encontre uma de nossas lojas. Acesse aqui.


Coronavírus: cuidados ao usar o veículo para evitar contágio e disseminação da infecção

Neste momento em que o coronavírus tornou-se uma ameaça global, é fundamental adotar medidas para evitar o contágio e a transmissão da infecção.

Seguindo as recomendações das autoridades de saúde, é preciso manter alguns cuidados relacionados à higiene pessoal e à desinfecção de objetos e ambientes no combate à Covid-19. Como um veículo também pode ser porta de entrada para o vírus, os motoristas devem estar atentos às boas práticas para o uso do carro.

A orientação é ficar em casa e evitar ao máximo circular por aí. Mas isso nem sempre é possível. E, quando sair é uma necessidade, proteger-se é a regra.

Veja a seguir algumas dicas para quem precisa utilizar o automóvel:

 

1. Evite dar carona

Da mesma forma como não é recomendado receber pessoas em casa, dar carona também é algo a ser evitado nestes tempos. Alguém pode estar infectado sem a manifestação clara de sintomas típicos do coronavírus. Por precaução, suspenda esse ato gentil até que a situação esteja completamente normalizada.

 

2. Evite contato com partes externas do veículo

Isso não será completamente possível, pois precisará tocar a maçaneta para acessar o carro. Ainda assim, evite encostar e apoiar-se nas partes externas da lataria. O vírus pode se instalar em qualquer superfície e sobreviver ali por algum tempo.

Tenha um frasco de álcool em gel 70% para higienização das mãos após entrar e sair do carro.

 

3. Mantenha o interior do veículo higienizado

Mesmo se for o único a utilizar o carro, é importante desinfectar as partes internas, como volante, câmbio, painel, botões de comandos, etc. A Hyundai ouviu especialistas e reuniu boas dicas para limpeza automotiva. Acesse aqui.

 

4. Rode com as janelas abertas

A ventilação natural reduz a possibilidade de contágio pelo coronavírus. Por isso, quando possível, opte pelas janelas abertas ao invés de ligar o ar-condicionado do veículo.

 

5. Evite manutenções no carro neste período

Se for possível, adie idas a oficinas neste período para instalar complementos ou fazer ajustes que possam ser deixados para depois. Mas, claro, a segurança deve estar ser colocada em primeiro lugar. Se o conserto for inadiável, tome as demais precauções acima e leve o carro ao mecânico.

 

E mais uma dica: lavar frequentemente as mãos com água e sabão é uma das recomendações mais ouvidas no momento e é algo que deve ser feito também antes e depois de usar o carro.

 

Inove Gás: parceira no combate à disseminação do novo coronavírus

Seguindo as orientações das autoridades públicas, a Inove Gás interrompeu o funcionamento de sete de suas nove lojas. A medida preserva a saúde de funcionários, mas também mantém o atendimento a situações emergenciais dos clientes, dessas que, em nome da segurança, não podem ficar para depois.

Assim, o motorista que precisar de serviços relacionados à instalação e manutenção de GNV pode contar ainda com as lojas de Bonsucesso e Duque de Caxias.

As duas lojas adotaram ações e cuidados relacionados à higienização para proteger os funcionários que continuam trabalhando e também para receber adequadamente os motoristas nesse período.

 

Veja mais: Motoristas profissionais em tempo de coronavírus: como se proteger?


Por dentro do kit GNV

O avanço da tecnologia, entre tantos resultados, tornou possível a utilização do gás natural veicular como uma alternativa energética mais econômica e sustentável. E a instalação do kit GNV é o que viabiliza o uso desse combustível pelo motorista que reconhece as vantagens da conversão.

Quando se fala de kit GNV, certamente vem à mente a imagem do cilindro, de fato, o componente de maior destaque do sistema. Construído seguindo rigorosos critérios técnicos, esse reservatório recebe o gás a elevadas pressões durante o abastecimento.

Veja também: Cilindro de GNV: faça a escolha certa

Muito além do cilindro, o kit GNV é composto por uma série de outros itens. Veja quais são os principais:

Válvula de abastecimento: retém o gás no cilindro e controla a sua saída. Contém dispositivos de segurança para interrupção do fluxo de gás em caso de acidente no abastecimento.

Suporte: usado para fixação do cilindro no veículo.

Tubulações: tubulações de aço de alta pressão fazem a condução do GNV da válvula de abastecimento até o cilindro, e deste até a válvula reguladora de pressão.

Redutor de pressão: como o próprio nome sugere, essa peça tem a função de reduzir a pressão de abastecimento (em torno de 200 bar) até a pressão atmosférica, de modo que o combustível possa passar pelo motor.

Quer saber mais? Acesse: Como funciona o redutor de pressão do GNV

Misturador: restringe a passagem de ar que vai para o motor, evitando a perda de potência e o consumo excessivo de combustível.

Barra de aterramento: tem como função descarregar no solo a energia estática do veículo durante o abastecimento.

Manômetro: é a peça que indica o nível e a pressão do gás, enviando tais informações até a chave comutadora do painel do veículo.

Chave comutadora: é o componente que comanda o funcionamento do veículo em GNV ou no combustível líquido.

Eletroválvula: é usada em veículos carburados como um sistema de abertura e fechamento para a passagem do combustível líquido. Pode ser acionada manualmente em caso de emergência.

Emulador de bico: esse dispositivo desconecta os bicos injetores do carro, para que não haja introdução de combustível líquido no motor enquanto o GNV estiver sendo usado. Esse item é necessário somente para veículos injetados.

Entenda como funciona: O que é emulador de bico injetor?

Emulador de sonda lambda: é um dispositivo eletrônico que simula o sinal da sonda lambda quando se usa o GNV, emitindo sinal similar ao do funcionamento com combustível líquido (em veículos injetados).

Saiba mais: Importância do emulador de sonda lambda em carros com GNV

Variador de avanço: essa peça promove um ajuste do funcionamento do sistema convertido ao motor. Com o variador de avanço, a mistura entre o GNV e o ar se dá no tempo certo, influenciando no desempenho do carro. Esse dispositivo é um item opcional, mas seu uso é aconselhável, em razão dos benefícios que proporciona.

Veja mais: Variador de avanço: dispositivo contribui para desempenho e economia dos motores a GNV

Instalação de kit GNV é na Inove Gás

Na Inove Gás, o motorista encontra equipe técnica especializada para avaliar as características do veículo e propor as melhores soluções em instalação e manutenção. Vá a uma de nossas lojas e tire suas dúvidas sobre qualquer componente do kit GNV.


Abasteça com GNV sem medo de combustível “batizado”

Além de render menos, o combustível de má qualidade traz grandes prejuízos ao funcionamento do veículo. Catalizadores, bombas, sondas de oxigênio e bicos injetores podem ser seriamente afetados pelo uso de gasolina e etanol “batizados”.

Já o gás natural veicular é uma alternativa disponível no mercado que dribla esse tipo de fraude. Como chega aos postos por redes de dutos e tem um processo especial de estocagem, o GNV não sofre adulterações de sua composição.

Ao escolher o gás automotivo, o motorista tem mais garantias de estar pagando pelo que realmente está consumindo em termos de qualidade do produto.

Mesmo podendo ser alvo de violações relacionadas à quantidade, o GNV está menos sujeito à ação de fraudadores.

Adulteração: prejuízo no bolso do consumidor

Segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que fiscaliza a comercialização dos combustíveis em todo o território nacional, em 2018, o etanol foi o produto que mais registrou não conformidades, seguido pela gasolina.

O combustível de má qualidade gera uma série de problemas técnicos. O carro perde potência, começa a consumir mais combustível, as emissões de poluentes aumentam, pode haver contaminação do óleo lubrificante, deterioração do sistema do catalisador, entupimento dos bicos injetores e danos às velas.

O uso de combustível adulterado chega a ser considerado uma das principais causas do desgaste de peças e componentes dos veículos.

Ou seja, o consumidor leva gato por lebre na hora do abastecimento e ainda acumula prejuízos depois, agravados se o uso do combustível “batizado” se estender por muito tempo.

GNV: inviolabilidade é mais um de seus benefícios

O GNV tem menor preço, melhor rendimento, polui menos e gera menos desgaste ao motor. Outro benefício importante é justamente o fato de não poder ser violado.

Enquanto os combustíveis líquidos ficam estocados em tanques e sujeitos à fraude, o gás, que já parte da distribuidora com sua qualidade atestada, fica armazenado sob alta pressão. Não é possível romper o sistema para alterar as características do produto gasoso nos postos.

Aproveite todas as vantagens do GNV

Normalmente, a decisão de instalar o GNV parte de um motorista cansado dos abusivos preços do etanol e da gasolina, o que demonstra que a economia continua sendo o grande atrativo do gás.

Vale lembrar que, ao mudar para o GNV, haverá também menor exposição do carro ao uso de combustíveis líquidos, e, consequentemente queda no uso de produtos “batizados”, com reflexos no bolso. Menos combustíveis líquidos, menos peças e componentes danificados pelas substâncias impróprias das adulterações.

Para melhor proveito do carro a gás, também é preciso escolher uma instaladora homologada no Inmetro, que faça a conversão com qualidade e segurança.

Na Inove Gás, além de realizar a conversão em acordo com as normas técnicas exigidas pelo órgão, o motorista ainda encontra uma equipe pronta para prestar um serviço de alto padrão, bons preços e condições especiais. Faça um orçamento e comprove.


Inove Gás responde

Alguns motoristas reais enviaram perguntas para os especialistas da Inove Gás. Confira as respostas sobre instalação, componentes e funcionamento do kit GNV:

1) Quando a instalação do kit gás vai baratear?

Isso é uma questão de mercado, o que não temos condições de prever. Com a entrada de novas tecnologias, a tendência é uma maior concorrência, o que pode impactar na diminuição dos valores dos kits.

2) Existe algum estudo para reduzirem o tamanho dos cilindros?

Não, por causa da compressão das moléculas de gás.

3) Como o injetor do kit de 5ª geração “injeta” o gás, se ele usa a pressão de trabalho do cilindro de gás? Ou existe alguma bomba pressurizadora para injetar o gás no coletor?

No caso do 5ª geração, é o redutor de pressão que diminui a pressão de 200BAR para no máximo 3BAR. Conforme a necessidade de injeção de combustível gás solicitada pelo motor, esse gás é injetado direto no coletor de admissão, fazendo com que a queima do combustível seja mais eficiente.

4) Caso use a pressão de trabalho do cilindro, como ele faz a compensação da perda de pressão quando o gás vai esgotando?

Quando o gás vai se esgotando, a pressão vai diminuindo, e quando a pressão deixa de ser suficiente, o sistema de 5ª geração passa automaticamente para o combustível original do veículo.

5) É verdade que o kit de 5ª geração faz a mudança de combustível automaticamente conforme a necessidade?

Se a chave comutadora estiver configurada para o gás, sim, em duas situações. Ao ligar o carro frio, ele aguarda chegar a uma certa temperatura e passa automaticamente para o GNV. Quando o gás acaba, ele passa automaticamente para o combustível original do veículo.

6) A perda de potência no kit de 5ª geração é menor do que a de 3ª geração?

Sim, justamente pelo combustível ser injetado direto no coletor de admissão, fazendo com que a queima desse combustível seja mais eficiente.

7) Eu perco a garantia do meu carro se instalar um kit gás?

Isso varia muito, principalmente do bom senso e da boa vontade da concessionária. A instalação de um kit GNV não prejudica em nada o motor, muito pelo contrário. A perda da garantia só se daria por alguma falha na instalação do kit gás que provocasse avaria no veículo.

8) Qual a pressão ideal para fazer o abastecimento do meu carro sem danificar algum componente?

Até 220BAR de pressão em abastecimento.

 

Tem alguma dúvida sobre o gás automotivo? Aproveite para navegar por nosso blog, que reúne muito conteúdo útil sobre o GNV. Se precisar, fale com a gente!


Valorize seu dinheiro: mude para o GNV!

Quando se pensa em despesas com o veículo, entram na conta gastos como manutenção, combustível e IPVA. Levando somente esses itens em consideração, o rombo no orçamento já pode ser grande.

Mas, o motorista que dá valor ao próprio dinheiro sabe: o GNV é a melhor opção para economizar na hora de abastecer. A seguir, listamos os motivos que fazem do gás uma boa opção para o bolso:

 

IPVA com desconto

 

Ao fazer a opção pelo GNV, o motorista garante um desconto atrativo no valor anual do IPVA. Em alguns estados brasileiros, como o Rio de Janeiro, por exemplo, o governo incentiva o uso desse combustível como forma de impulsionar o segmento de gás natural.

Enquanto um carro flex ou movido à gasolina paga 4% do valor venal de imposto, um veículo com o kit gás instalado paga apenas 1,5%. Ou seja, a economia dos motoristas fluminenses que usam o GNV é de 62,5%, valor que realmente faz a diferença.

Gastar menos com imposto é valorizar o seu dinheiro.

 

Mais barato nos postos

 

É verdade que o GNV já foi mais econômico e vantajoso. Mas, mesmo com os aumentos de preço sofridos nos últimos tempos, o combustível ainda se mantém com o melhor custo na comparação com o etanol e a gasolina. Vale lembrar que os combustíveis líquidos também vêm acumulando elevações nos preços.

Além de ser mais barato nos postos, o gasto por quilômetro rodado é menor com o GNV.

 

Redução de danos no motor

 

O GNV prolonga a vida útil do motor, que se mantém em melhores condições de limpeza quando é feita a comparação com motores movidos a combustíveis líquidos.

O gás gera menos desgaste aos componentes do veículo por ser mais limpo e conter menos impurezas que danificam as peças. Além disso, a durabilidade do óleo lubrificante também é ampliada no veículo movido a GNV, pois não há contato com fluidos. Com as partes do motor secas, os dutos ficam mais limpos.

No fim das contas, isso significa menos gastos com manutenção do motor.

 

Instalação do kit GNV é com a Inove Gás

 

Rodar com o GNV é uma forma de economizar e valorizar o próprio dinheiro. Escolher a instaladora certa é mais um passo neste sentido, já que uma conversão bem feita evita problemas e idas e vindas à oficina.

Na Inove Gás, uma rede instaladora 100% homologada no Inmetro, o motorista encontra qualidade e excelentes preços nos serviços de conversão e manutenção.

A Inove Gás vem apresentando ótimos preços para instalação dos kits. Acesse as redes sociais da i9 para acompanhar as promoções!


Onix com GNV: carro mais vendido do Brasil vai bem com o gás

Sucesso de vendas, o Onix tem como característica ser um carro bastante econômico. Muitos de seus proprietários, no entanto, têm o desejo de ampliar ainda mais essa economia fazendo a conversão para o gás. Mas, sendo um modelo compacto e menos potente, o Onix vai bem com o GNV?

Em 2019, o Onix alcançou o posto de carro mais vendido do Brasil. É o quinto ano consecutivo em que o modelo da Chevrolet conquista a posição. No ano passado, foram 241.214 unidades vendidas, segundo dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

Algumas características do Onix geram dúvidas em seus proprietários quanto à viabilidade da conversão, principalmente o volume do porta-malas e a potência.

O Onix é um modelo hatch e tem pouco espaço no bagageiro. Mas, a depender do tamanho do cilindro escolhido e do uso que se fará do carro, a instalação é possível e viável.

Como a maioria dos modelos de Onix em circulação possui motor 1.0, alguns motoristas também ficam inseguros quanto ao desempenho, imaginando que a performance do veículo pode ficar comprometida. No entanto, a perda é imperceptível quando é feita a adequada instalação do GNV.

Além disso, a tecnologia deste carro “pede” um kit de 5ª geração. Moderno, este tipo de kit vai cumprir muito bem a tarefa de fazer o Onix rodar no gás com potência satisfatória.

Ou seja, o carro queridinho do momento responde muito bem à adaptação para o gás, sem prejuízos ao desempenho. Alcance mais economia com seu Onix!

 

Leve seu Onix até uma Inove Gás

 

Com um projeto bem feito, não só o Onix, mas todo modelo de carro pode ser convertido para o GNV.

Saiba mais: GNV pode ser instalado em qualquer carro?

Mas qual o segredo de um projeto de instalação bem feito?

Uma instaladora homologada no Inmetro, que utiliza componentes de primeira, tem experiência de mercado e se preocupa em atender às necessidades específicas de cada cliente.

Essa instaladora é a Inove Gás! Leve seu veículo até uma loja da rede e conte com a orientação da equipe especializada da i9 para elaborar uma proposta do jeito que você precisa.

Veja onde encontrar uma Inove Gás perto de você!

Se preferir, entre em contato pelo call center para tirar suas dúvidas ou adiantar o agendamento dos serviços. Ligue: (21) 2042-3009.


GNV pode passar a ser vendido por quilo

Inmetro alega que comercialização do GNV por quilo é benéfica para o consumidor, enquanto entidades se preocupam com os efeitos para o segmento.

O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) pretende regulamentar a mudança de padrão de comercialização do GNV do atual metro cúbico (m³) para quilograma (kg), conforme anunciou em dezembro do ano passado.

Acesse o site do Inmetro para mais informações sobre a publicação da portaria referente ao tema.

Segundo o órgão, isso deve ocorrer ainda no primeiro semestre de 2020, com prazo de dois anos para que revendedores e distribuidoras de combustíveis façam os ajustes necessários em seus instrumentos e se adaptem à medida.

Essa mudança tem como objetivo minimizar as perdas durante o abastecimento com o combustível, já que o gás não tem densidade linear. O padrão atual dá margem para fraudes na venda do produto, o que não ocorreria mais na medição em massa (por quilo).

Sob essa perspectiva, o gás automotivo, que já não sofre adulteração em termos de qualidade, ganharia mais uma vantagem diante dos combustíveis líquidos. Com a venda por quilo, segundo o órgão, seria mais difícil fraudar também a quantidade de GNV comercializada nos postos.

A nova forma de medição afeta diretamente o mercado distribuidor e revendedor, que vai precisar investir na adaptação.

Por isso, a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) tem se posicionado de maneira contrária à proposta do Inmetro.

O argumento é que seria criada uma “distorção econômica”, levando o GNV a ficar aparentemente 35% mais caro para o consumidor. As entidades se preocupam também com o desestímulo ao uso e à instalação de novos kits gás, o que geraria prejuízos para as empresas que operam no segmento.

Confira aqui o posicionamento da Firjan.

A sociedade pode contribuir com sugestões e críticas à portaria até meados de abril de 2020. As manifestações devem ser encaminhadas para o Inmetro no formato da “planilha padronizada para contribuição dos requisitos de metrologia legal” (acesse aqui). O e-mail para envio é: diart@inmetro.gov.br.


GNV no Rio de Janeiro: estado é o maior mercado consumidor do combustível no país

Cariocas e fluminenses formam o maior mercado consumidor de gás automotivo no país. Segundo a Firjan, este público responde por quase 55% do consumo desse combustível no Brasil. É possível afirmar que o GNV no Rio de Janeiro é um caso de sucesso.

Isso pode ser explicado pelo fato do estado ser o principal polo produtor desse energético e contar com uma malha de distribuição mais densa, o que facilita a sua disseminação.

Essa boa aceitação também está ligada a um incentivo fiscal estadual: 62,5% de desconto no valor do IPVA. Com um kit GNV instalado, o proprietário tem a alíquota anual do imposto reduzida de 4% para 1,5% do valor venal do veículo, um grande atrativo que se soma aos outros benefícios econômicos e técnicos do produto.

Os motoristas fluminenses são os que mais conhecem e se beneficiam das vantagens de ter um carro movido a gás: mais economia, segurança e qualidade, maior vida útil do motor, menos danos ambientais, entre outras.

RJ: protagonismo quando o assunto é GNV

Em estudo, a Firjan destaca alguns números relacionados ao protagonismo do estado nesse mercado. Além de ficar com mais da metade do GNV consumido, o Rio de Janeiro também compreende:

  • 35% dos postos;
  • 60% da frota;
  • 70% das instalações de kit GNV.

No estado, a economia em relação à gasolina é 17% maior do que a média do Brasil – atrás apenas de São Paulo e Santa Catarina, ainda segundo o levantamento da Firjan.

Mas há uma expectativa de que o preço do gás natural no estado caia a partir do anúncio da Agência Nacional do Petróleo (ANP), feito no início de agosto, de que o preço do gás natural vai passar a ser determinado levando em conta a proximidade com as regiões produtoras. Com base nessa proposta, como grande agente produtor, o Rio de Janeiro pagaria ainda menos.

GNV no Rio de Janeiro é com a Inove Gás

Se o Rio de Janeiro se sobressai como estado produtor de gás natural e como um mercado consumidor estabelecido, a Inove Gás se destaca como instaladora de kits GNV e grande incentivadora do uso desse combustível cheio de vantagens.

Com nove lojas no estado, a Inove Gás é referência em conversões com qualidade e segurança, sendo a única rede instaladora 100% homologada no Inmetro.

Acesse nosso site para conhecer mais nosso trabalho, fazer um orçamento e encontrar a loja mais próxima.


Motorista deve estar atento à pressão do GNV no abastecimento

Motorista deve estar atento à pressão do GNV no abastecimento

O gás natural veicular é um combustível seguro, mas a atenção às normas na hora da instalação, manutenção e abastecimento são essenciais. Um dos cuidados que o motorista de um carro convertido deve ter é quanto à pressão do GNV na hora de abastecer. Alguns postos prometem “maior pressão”. Mas isso seria uma vantagem?

Isso não passa de uma estratégia para atrair consumidores mal informados. Além de não ser vantajoso, pode ser perigoso. Abastecer com uma pressão elevada pode afetar a vida útil do sistema, causando danos ao bico do dispenser e outros componentes, gerando prejuízos e até mesmo um acidente com gravidade.

Leia mais: GNV é seguro? Cuidados simples garantem a segurança do sistema.

Os kits GNV são projetados para resistir a uma pressão de até 220 kgf/cm².

Inclusive, de acordo com resolução da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), todo posto revendedor de GNV deve, obrigatoriamente, informar de maneira clara ao consumidor a pressão máxima de abastecimento com o gás.

A informação sobre a pressão de abastecimento deve ser apresentada de forma clara para o consumidor, de acordo com um padrão determinado, de modo a facilitar a visualização. A fonte, o tamanho das letras, a localização da informação, etc., precisam seguir o padrão definido pela ANP.

Periodicamente, o órgão promove inspeções nos postos para verificar o atendimento a esta determinação, bem como outros itens para a segurança do consumidor.

Já o abastecimento com pressão do GNV menor que 180 kgf/cm² injeta menos gás no cilindro, o que vai comprometer a autonomia do automóvel.

Outro ponto a atentar: a bomba não pode marcar a entrada de mais gás além da capacidade do cilindro. Isso pode significar que há algum tipo de fraude no posto. Por exemplo, ao abastecer um cilindro de 15,5m³, o marcador não pode demonstrar o abastecimento de 17,5m³.

Ao desconfiar de algum tipo de fraude desse tipo, o motorista pode fazer uma denúncia à ANP.

Vale lembrar que o gás é um combustível que não pode ser adulterado, pois chega aos postos por redes de dutos com a sua qualidade já atestada. Dessa forma, interferências nas propriedades do produto nos pontos de venda são inviáveis.

Instalação do kit GNV é com a Inove Gás

Desde a instalação, segurança deve ser a prioridade do motorista. Por isso, conte com a Inove Gás, uma rede instaladora 100% homologada no Inmetro, para a conversão de seu veículo. Encontre uma de nossas lojas perto de você.


8 dicas para economizar e colocar a vida financeira em ordem

Contas em dia, uma grana para curtir um pouco e uma sobra para investir. Ter uma vida financeira equilibrada é o desejo de muitos brasileiros, mas apenas uma parcela consegue alcançar essa tranquilidade.

Manter a vida financeira organizada, mesmo nos casos em que os rendimentos não são tão altos, é possível. Mas não se engane: esforço, organização e disciplina são fundamentais. Confira algumas dicas:

1. Registre seus ganhos e gastos

Comece registrando o que gasta com o objetivo de compreender para onde o dinheiro que você ganha está indo. É possível controlar isso usando planilhas, fazendo anotações e guardando recibos. Uma alternativa é usar um aplicativo de finanças pessoais no próprio smartphone. Até mesmo alguns bancos já oferecem esse tipo de recurso associado à conta.

2. Repense seus hábitos

A partir do momento em que se toma conhecimento de todos os gastos, dá pra analisar o que é possível cortar. É provável que identifique alguns excessos e compras de itens supérfluos.

Analise se é possível enxugar despesas básicas, como água e luz, por exemplo. Valores dos planos de telefone e internet podem ser negociados com as empresas? Já tentou solicitar a redução ou mesmo a isenção de tarifas bancárias e da anuidade do cartão de crédito?

Vale também reavaliar a necessidade de manter um cartão de crédito. E caso precise, evite ter mais de um. Além disso, esteja ciente que pagar apenas o valor mínimo da fatura é uma armadilha, pois recaem juros pesados sobre essa opção oferecida pelas administradoras. Fuja!

3. Renegocie suas dívidas

Mesmo que já esteja no vermelho, ainda é tempo de sonhar com uma vida financeira tranquila. Procure a instituição credora para renegociar sua dívida, peça desconto e escolha um plano de pagamento realista.

4. Estabeleça objetivos

Saber onde quer chegar dá mais sentido ao esforço. Assim, também é possível enxergar mais claramente a quantos passos está da conquista de botar ordem na sua vida financeira.

5. Crie o hábito de poupar

Defina uma quantia mensal para poupar e se programe para cumprir. Especialistas costumam recomendar que o valor mínimo mensal fique em torno de 10% da renda líquida.

Pesquise por alternativas mais rentáveis que a poupança, que não tem apresentado bons resultados. Busque informação sobre investimentos e escolha uma opção adequada ao seu perfil.

6. Faça uma reserva para emergências

É preciso estar preparado para imprevistos. E uma reserva para emergências garante mais tranquilidade quando você se vê diante de situações inesperadas, como um gasto extra com um conserto em casa ou mesmo a perda do emprego.

Recomenda-se que essa reserva seja suficiente para manter o seu padrão de vida por no mínimo seis meses.

7. Seja disciplinado

Sem disciplina não dá pra ter uma vida financeira tranquila. É preciso se manter firme e se organizar para seguir seu planejamento.

8. Economize com combustível

Quando se fala em economizar com combustível, pode vir à mente tirar menos o carro da garagem, já que o preço do etanol e da gasolina andam pesando no bolso.

Mas diminuir a frequência do uso do veículo não é algo possível para todos. Para este público que não pode ou não deseja deixar de usufruir do conforto e da praticidade de rodar de carro, o gás natural veicular é uma solução viável, mesmo com o investimento inicial na conversão.

Calcule aqui se o GNV pode ser uma boa alternativa para você. Veja em quanto tempo terá o retorno do investimento com a instalação.

O GNV tem uma série de vantagens em relação aos combustíveis líquidos. O menor preço é só uma delas. O gás ainda proporciona economia com a manutenção do veículo, pois é mais limpo e gera menos danos ao motor. E não para por aí! No Rio de Janeiro, um incentivo fiscal garante um desconto de 62,5% no IPVA para os veículos movidos a GNV. Ou seja, é economia ao abastecer, economia para manter o veículo em bom funcionamento e economia na hora de pagar o imposto.

Constatou que o GNV é a melhor opção? Agora é partir para a conversão. Faça um orçamento na Inove Gás , a melhor rede instaladora do Rio de Janeiro. Economize também com combustível e dê mais um passo rumo à vida financeira que sempre desejou.